JollyRoger 80´s para as Massas

JollyRoger 80´s para as Massas

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Roma ou Rio de Janeiro?

Roma era considerada a "Cidade" no período do Império. Um poderoso centro de convergência tanto dos ocidentais como dos orientais que estavam sob seu domínio. Essa metrópole superpovoada e cosmopolita incorporou muitos elementos estrangeiros, como por exemplo dos gregos e de outros povos orientais. Esses povos agregaram-se à Roma, lugar de inúmeras tentações.

Uma das medidas para abarcar toda essa gente foi o aumento de sua superfície. Ao anexar os subúrbios, o Primeiro Augusto cria uma Roma com catorze regiões. Um crescimento substancial se comparado com as quatro regiões da época republicana. 

No entanto, não houve um aumento no nível de organização. A população não foi distribuída de maneira satisfatória, de modo que os ricos construíam mansões nos jardins que cercavam a cidade enquanto que no centro, se faziam presentes a massa de miseráveis.

Roma era a cidade dos contrastes onde a exagerada ostentação convive com a mais vergonhosa pobreza. A vida, em geral, era complicada. Não era raro as catástrofes que se abatiam sobre a população como terremotos, inundações e fome. Esta última geralmente originando explosões de violência. As epidemias, quando surgiam, não se restringiam somente aos bairros pobres. E os incêndios regularmente destruíam partes da cidade.


Não há paz na cidade, pois Roma é barulho. As ruas são tomadas por populares, comerciantes, carruagens, pelas mercadorias expostas e por barracas. Também são palco para espetáculos de saltimbancos, charlatães, adivinhos, mendigos (adultos e crianças). Ou seja, uma confusão generalizada.


Os bosques sagrados são o principal refúgio para os tipos marginalizados: miseráveis, ladrões e os que professam religiões suspeitas. (os primeiros cristãos refugiaram-se nesses esconderijos).

Não é de hoje que os vagabundos e canalhas mais inteligentes usam da religião para enganar uma numerosa classe dos tolos. Nas ruas de Roma estes apresentam-se como filósofos, adivinhos, astrólogos e magos que tiram proveito da superstição inerente aos romanos. 

Muitos se dizem sacerdotes de divindades orientais como Ísis, que tornaram-se familiares aos romanos após o século II A.C . Fazendo uso de gritos, danças, disfarces chamativos e até mesmo de mutilações os impostores conseguem seu sustento por meio da arrecadação das moedas dos que conseguiram impressionar.

Roma constitui-se por multidões de tolos que se vêem agregados pelo mais fútil motivo, adeptos da ociosidade ou de pequenos trambiques. Uma multidão imprevisível e brutal que irrompeu freqüentemente em atos de violência. Com toda revolta e raiva acumulada, basta um incidente qualquer para desencadear a destruição (como quando Calígula divorciou-se em 39 ou quando Nero repudiou Otávia em 62).

Esses tumultos entre gangues no final da República abrem os olhos das autoridades para o perigo das milícias privadas. Esses líderes políticos com homens armados tiveram seu fim por Augusto. No entanto, ocorreram a formação de associações, agora criminosas. Esses bandos agrupam-se sob a designação de "Colégios".

E dissimulando-se sob a cobertura de grupos religiosos realizam tráfico de homens livres. Tanto Augusto como Tibério tomaram providências que por um determinado momento foram eficazes contra esses grupos.

Não existia iluminação pública e não são muitos os que se arriscam atravessar a cidade na escuridão. E ao fazê-lo, estão acompanhados de escravos armados. De noite, Roma é território dos marginais, dos ladrões, dos bêbados e dos arruaceiros. 

As ruas do centro são mais seguras, mas os terrenos da periferia são palco para atividades suspeitas nas sombras. Os marginalizados faziam de asilo a zona dos túmulos, dos cemitérios e dos crematórios, lugares estes temidos pelos cidadãos romanos.

Uma grande necrópole existia até o reinado de Augusto. Nela estão as fossas onde são depositados os cadáveres de indigentes, escravos e condenados. O cenário macabro é composto de túmulos, ossadas, restos de corpos e os cães, urubus e lobos são visitantes frequentes, assim como os escravos que trabalham nos crematórios, os saqueadores de túmulos que roubam os alimentos deixados, ladrões perigosos, mendigos e prostitutas. 

Muitas feiticeiras perambulam pelos cemitérios recolhendo ossos ou ervas para criar poções e praticar magia branca ou negra . Alguns rituais foram descritos por Horácio e também por Cícero ( como a necromancia, criação de amuletos e sacrifícios).


Antes de me acusar de anacronismos complemente seus argumentos críticos lendo:

Um comentário:

  1. Bibliografia:

    SALLES, Catherine. "Nos Submundos da Antiguidade". Tradução: Carlos Nelson Coutinho. 1° edição, 1982. Editora Brasiliense.

    Leituras afins:

    Elegia Erótica Romana_ Paul Veyne

    Passagens da Antiguidade ao Feudalismo_ Perry
    Anderson

    Pornéia . Sexualidade e amor no Mundo Antigo _ Aline Rousselle

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...