JollyRoger 80´s para as Massas

JollyRoger 80´s para as Massas

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Robocop no Rio de Janeiro

Policiais civis e agentes penitenciários do Rio de Janeiro fizeram uma paralisação por causa de salários atrasados e demais melhorias. Sempre achei que policiais em greve era algo restrito aos filmes do ROBOCOP. No primeiro filme de 1987, a força policial de Detroit não era mais responsabilidade do Estado, mas sim de uma organização empresarial privada, a OCP.

A OCP investia em produtos de consumo, controlava políticos, era fornecedora de armas para militares e também tinha negócios imobiliários. Os executivos da OCP não melhoravam as condições dos policiais por alguns motivos:

1° Eles queriam a degradação cada vez mais rápida da velha Detroit. Quando a decadência e crise saíssem do controle do governo municipal, a OCP poderia derrubar os velhos bairros e construir uma nova e moderna cidade para os ricos, a Delta City.

2° Com a força policial não dando conta do crescimento da criminalidade, a OCP começaria a utilizar um robô para patrulhamento urbano, o ED-209. Este depois de passar pelo teste de guerrilha urbana seria vendido para os militares (funcionando bem ou não). Vale ressaltar que o vice-presidente da OCP tinha ligações com um dos maiores criminosos da cidade.

Essa trama absurda só poderia estar em um filme mesmo! Afinal, em nenhuma cidade do Brasil, governantes e empresários estariam interessados em especulação imobiliária, favorecimento de áreas nobres em detrimento dos subúrbios e áreas periféricas, não pagamento de funcionários públicos e mais armas e menos educação para combater a criminalidade, não é mesmo? (...) Coerente o remake de Robocop ter sido dirigido pelo brasileiro José Padilha.


Pica-Pau Maluco & Anarquista




Devemos ter cuidado com as más influências que filmes e desenhos animados antigos possam exercer sobre nossos inocentes jovens. Na era do bom senso politicamente correto, se faz necessário o uso de nossa liberdade para censurar o Pica Pau.

Como uma pessoa esclarecida pode achar graça de um personagem que não respeita nada nem ninguém? É mais que um punk, mais que um anarquista libertário. Em certo sentido, é praticamente um sociopata (principalmente em sua versão maluca). 

O Pica-Pau não respeita a burguesia nem a classe trabalhadora, nem coxinha e nem petralha, debocha da lei e da polícia, se veste de mulher para entrar em festas da alta sociedade e roubar comida, já praticou falsidade ideológica se fazendo passar por um embaixador russo (novamente para participar de um churrasco). 

Em um mesmo episódio, apresentando um comportamento sádico e descontrolado, quase matou um índio e um operário cantando ''Fígaro''. É um rachador confesso, dirigindo em alta velocidade e deixando um indefeso guarda no limite da sanidade, já tentou praticar canibalismo e vive destruindo árvores! No entanto, não se tem notícias de que ele tenha se candidatado à cargos políticos ou participado de torcidas organizadas de futebol.

Arte X Entretenimento

A arte por excelência nasce da dor, de uma inquietação, de esforço, estudo, inspiração e de uma necessidade constante de expressão. Quem só busca a fama pela fama geralmente não é Artista, mas apenas um funcionário do ramo do entretenimento barato e efêmero.

Historiadores não são donos da "verdade"

Não é para acreditar cegamente no que historiadores e livros de História dizem, mas não significa que você não deve levar em consideração suas análises e preocupações. E a partir daí refletir, questionar e tentar formar sua opinião.


O jovem e a educação contra a manipulação

O jovem precisa aprender a ler, interpretar textos, escrever, saber das regras gramaticais obviamente, mas também ser auxiliado e incentivado a ter pensamento próprio. Para que esse aluno cresça e se torne um cidadão que entenda e questione tanto as armadilhas do sistema capitalista quanto o sistema comunista. E saiba inclusive construir alternativas novas de vida para além desses sistemas pré estabelecidos.

Televisão Manipulação

Televisão sempre foi manipulação e isso não é assunto tabu para os artesãos dessa área. Existem documentários com opiniões de grandes âncoras do telejornalismo norte-americano em que eles falam sobre a teatralidade, sobre a "atuação" de jornalistas ao apresentar notícias. E há muito tempo a TV passou a ser uma vertente da indústria do entretenimento, mexendo mais com a emoção do que com a razão do telespectador .

Depeche Mode _ Where's the Revolution

"Vocês estão sendo controlados
Estão sofrendo abusos, Mentiram pra vocês
Colocaram "verdades" em suas cabeças
Quem está decidindo por vocês? Vocês ou sua religião?
Seu governo, seus países? Vocês, seus viciados patrióticos!


Onde está a revolução? Vamos lá pessoal
Vocês estão me decepcionando
Onde está a revolução? Vamos lá pessoal
Vocês estão me decepcionando


Sacanearam vocês por muito tempo
Abusaram de seus direitos
Recusaram ouvir suas opiniões
Eles manipulam e ameaçam
Usando o terror como arma
Assustam até que vocês fiquem estupefatos
Minam sua confiança até que vocês estejam do lado deles


O trem está vindo, O trem está vindo
Portanto, subam a bordo
O motor está zunindo, O motor está zunindo
Portanto, suba a bordo, Subam a bordo


Onde está a revolução? Vamos lá pessoal
Vocês estão me decepcionando
Onde está a revolução? Vamos lá pessoal
Vocês estão me decepcionando"

Liberdade para as Massas


Batalhas pessoais e empatia


Informação X Conhecimento


Informação em excesso não produz necessariamente conhecimento.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Existem meios de fugir da atual música pop norte-americana?




Indústria cultural foi um termo criado há tempos atrás por um pensador alemão chamado Theodor Adorno para criticar como as formas de cultura estavam sendo produzidas industrialmente. A arte havia se tornado apenas mais uma mercadoria, sem substância, originalidade e talvez sem relevância. 

Nesse sentido, tudo era semelhante. Dito isso, me incomoda bastante como a indústria cultural dos Estados Unidos domina completamente o mercado cultural do Brasil e de outros países do mundo. Em se tratando de música, existem milhares de bandas e artistas (interessantes ou não) em todos os países. Seja na Alemanha, Portugal, na Europa como um todo, no Japão (com seus grupos de rock competentes), no continente africano e na América Latina.

Mas toda nossa mídia lacaia e controlada por grupos representantes dos interesses estadunidenses nos inunda apenas com informações e vídeos de celebridades norte-americanas. E nos impressionamos e ficamos deslumbrados com pouco. Típico de quem não tem memória.


Desde a segunda metade da década de 90 com a nova safra de boy bands, a música comercial entrou na sua pior fase. Sobrevivemos ao Hip Hop nos anos 2000 amplamente divulgados pela MTV e atolamos atualmente com o endeusamento exagerado e multimilionário das divas pop e do r&b.


Toda essa breguice norte-americana preenche todos os espaços possíveis. Os fantoches do entretenimento (a maioria eu me recuso a chamar de artista) aparecem subitamente sendo lançados como gênios e visionários. Uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade. Para as pessoas só restam os aplausos e o endeusamento, pois os meios de comunicação (e desinformação) inundam o mundo com todo tipo de notícia sobre as mesmas poucas pessoas. Alguém mais se incomoda com essa overdose?



Temos liberdade de escolha, mas a mídia entrega de bandeja o que você tem que "escolher". Para o grande público acomodado quase não há opção de escolha nesse fast food sonoro. O problema não é a música pop, mas ser meramente industrial e massificado. Porém, você pode procurar por conta própria outros artistas e desenvolver mais sua sensibilidade auditiva. É possível! Pesquise no youtube, compre discos de vinil baratos em sebos, vá a shows de bandas que estão no underground.



O consolo é que as músicas desses profissionais do ramo do entretenimento, com algumas exceções, não vão sobreviver ao tempo. Mas é triste perceber que momentos de nossas vidas tiveram e terão como trilha sonora produtos tão comerciais, vazios, gravadas nas coxas. Premiações forçadas com espetáculos coreografadas, rebeldia enlatada e pretensa ousadia . Eles deram ao pop um nome ruim. E quem são eles?


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...